Afonso Pinto

Fazenda Olhos d'Água

Nepomuceno - MG

Variedade: Catuaí Vermelho

Altitude: 980m

Afonso, desde os 11 anos, sempre trabalhou em fazendas próximas de sua casa. Com o tempo, ele aprendeu a cuidar das colheitas e a secar o café no pátio. No ano de 2004, Afonso comprou sua pequena fazenda. Com a ajuda da esposa e dos dois filhos, hoje eles cuidam das plantações de café com muito cuidado, pensando em melhorar a qualidade dos lotes todos os dias. A fazenda Olhos d'Água possui uma grande área de preservação ambiental. Afonso e sua família estão sempre procurando melhores maneiras de pós-colheita e, assim, garantir uma boa qualidade nos cafés.

 

Café doce e frutado, com notas de uva passa e melaço de cana.

A rastreabilidade do café

 

Agostinho de Fátima Marcelino

Fazenda Curralinho

Três Pontas - MG

Variedade: Mundo Novo

Altitude: 970m

Quando criança, o Sr. Agostinho ajudou seus pais nas lavouras de café da fazenda onde trabalhavam. Desde então, ele é apaixonado por café e, quando se casou, decidiu comprar uma pequena fazenda para cultivar seu próprio café. Ele realmente gosta de trabalhar em seus micro lotes, pós-colheita, usando vários métodos de preparação. Ele também cria vacas leiteiras com a ajuda de sua família.

 

Café doce e frutado, com notas de frutas amarelas e limão, lembrando também cana de açúcar.

A rastreabilidade do café

 

Carlos Henrique Teodoro

Fazenda Serrano

Ilicínea - MG

Variedade: Paraíso MG2

Altitude: 1045m

Quando ainda criança, Carlos Henrique já observava seu pai trabalhar nas lavouras de café. Com o passar dos anos, ele foi crescendo e, junto com seus irmãos, começou a ajudar seu pai na administração da propriedade da família. Carlos Henrique foi adquirindo experiência e, com muito esforço e trabalho, comprou sua pequena fazenda. Ao longo dos anos, ele está buscando novas técnicas de cultivo, melhoramento de pós-colheita e qualificação profissional - visando sempre à produção de lotes de café de altíssima qualidade.

Café doce e frutado, com notas de frutas maduras, como pêssego em calda.

A rastreabilidade do café

 

Denilson Antônio Costa

Fazenda Furnas

Ilicínea - MG

Variedade: Arara

Altitude: 1100m

Denilson trabalha com café desde a infância, quando ajudava seus pais na fazenda. Em 1995, ele decidiu plantar suas primeiras lavouras de café, mas não obteve bons resultados e desistiu de tudo. Ele se mudou para uma região próxima e começou a trabalhar com vendas de tecidos. No entanto, em 2015, ele uniu forças com seus irmãos William e Denes e decidiu comprar um pequeno pedaço de terra. A família está muito satisfeita com os resultados e a qualidade do café que produz. Pouco a pouco, eles estão reorganizando a estrutura da fazenda, melhorando a produção dos grãos.

Café bastante doce, com notas de frutas maduras, remetendo a goiabada.

A rastreabilidade do café

 

Eduardo Henrique Barbosa

Fazenda Serra Nova

Ilicínea - MG

Variedade: Topázio

Altitude: 1250m

Enquanto viajava pela comunidade de Serra Nova em 1957, o Sr. Barbosa, avô de Eduardo Barbosa, ficou encantado com a região e percebeu que ele podia produzir um ótimo café lá, além de ser um bom lugar para criar cavalos. Decidiu estabelecer-se lá. Ele começou a cultivar seus primeiros pés de café e milho, comprou algumas vacas leiteiras e cavalos. Atualmente, a fazenda é administrada por seu filho Roberto Barbosa e seus netos, Eduardo e Vinicius Barbosa. Eles usam os melhores métodos do mercado para produzir café de alta qualidade.

Café doce e frutado, com notas de melaço de cana.

A rastreabilidade do café

 

Fábio Araújo Reis

Fazenda do Salto

Carmo da Cachoeira - MG

Variedade: Bourbon Amarelo

Altitude: 1230m

Doutor Fábio, como é conhecido, gosta de cultivar café há muito tempo. Ele teve seu primeiro contato com o café quando ainda era bem jovem. Frequentou a Faculdade de Medicina e, mesmo na universidade, Fabio se dedicou à produção de café. Hoje, a Fazenda do Salto é administrada por Fabio e seus filhos André e Juca. Eles estão sempre se esforçando para produzir café de qualidade, buscando a excelência. Fabio está sempre ciente da importância das questões de sustentabilidade, ambientais e sociais.

Café frutado licoroso, que remete à uva e vinho.

A rastreabilidade do café

 

Francis Figueiredo

Oliveira

Fazenda Santa Margarida

Três Pontas- MG

Variedade: Mundo Novo

Altitude: 900m

Francis Figueiredo Oliveira é casado com Juliana e tem 2 filhos, Elisa e Fábio. Ele é engenheiro agrônomo, formado pela Universidade Federal de Lavras, em 1993. Desde então dedica-se à Fazenda Santa Margarida, em Três Pontas. A propriedade foi herdada de seus avós maternos, Urbano Garcia de Figueiredo Neto e Juvendyra Correa de Figueiredo. Há 25 anos Francis dedica-se à renovação de plantações antigas e formação e plantio de novas áreas. Seu objetivo é a produção de café natural, procurando agregar qualidade em todas etapas, até o produto final.

Café doce, floral e frutado, com notas de melaço de cana.

A rastreabilidade do café

 

Gilberto Augusto Basílio

Fazenda Zaroca

Três Pontas- MG

Variedade: Bourbon Amarelo

Altitude: 1180m

A Fazenda Zaroca em meados de 1915 era chamada de Fazenda Jararaca, e tinha como proprietário o Sr. Zaroca, bisavô de Gilberto. Ela era incorporada à Fazenda Boa Vista, que tinha como maior cultura a cana de açúcar.
Em 1980, Maria de Brito, avó de Gilberto e filha do Sr. Zaroca, veio a assumir a fazenda, e, com isso, mudou seu nome para Fazenda Zaroca – em homenagem ao seu pai que tanto fez pelo crescimento da cultura de café e cana de açúcar na região.


Após seu falecimento, em 1996, a mãe de Gilberto assumiu a direção da fazenda, e durante alguns anos Gilberto foi seu auxiliar nas tarefas do cultivo do café implementando novas variedades do fruto.


A partir de 2015, Gilberto assumiu a direção da Fazenda Zaroca e começou um trabalho mais voltado para a produção de cafés especiais, com mais tecnologia, modernização dos equipamentos e atualização constante dos colaboradores.


Novas variedades foram introduzidas, com o objetivo de ter alta qualidade e uma boa produção para atender aos mercados nacional e internacional.

Café com notas bem marcantes de frutas vermelhas e uva.

A rastreabilidade do café

 

João Paulo França

Sítio Danta

Ilicínea- MG

Variedade: Mundo Novo

Altitude: 1250m

O pai de João Paulo França, Sr. Lázaro França, era muito apaixonado por café e sempre incentivou e mostrou a João Paulo como é gratificante trabalhar com esses grãos. Quando criança, João viu o pai trabalhando nos campos e se perguntou como poderia melhorar a qualidade do café. Após a morte de seu pai, João Paulo começou a administrar a fazenda. Nos meses de julho a outubro, quando a colheita acontece, João Paulo conta com a ajuda de seu irmão Marcos França. Todas as colheitas são feitas manualmente, porque as plantações de café estão nas montanhas, e o acesso para máquinas agrícolas para a colheita e transporte do café é difícil. O processamento do café é feito por via seca (natural), pois na fazenda João Paulo não possui lavadora e separadora de café e, pensando em um café de qualidade, João Paulo colhe seletivamente, priorizando os grãos muito maduros. O transporte para o pátio de secagem é feito em uma pequena motocicleta. João Paulo cuida da colheita com muito carinho e está sempre em busca de cafés de excelente qualidade. Ele está muito feliz com o legado que seu pai o deixou na produção de cafés especiais.

Café bastante doce, com notas de morango.

A rastreabilidade do café

 

José Carlos dos Reis

Fazendinha Nossa Sra. Aparecida

Três Pontas- MG

Variedade: Acaiá

Altitude: 970m

A produção de café começou na Fazenda Rancho Grande em 1933, quando o Sr. Aneite Reis herdou 5 hectares de lavouras. A fazenda desenvolveu e aprimorou suas técnicas de produção ao longo do tempo, por meio de muito esforço e dedicação de seus gestores. Hoje a fazenda é administrada por José Carlos dos Reis e seu filho Flávio Reis. A missão da fazenda é produzir café da mais alta qualidade, sem negligenciar a importância de proteger o meio ambiente e cuidar do bem-estar de seus funcionários. Seu objetivo final é continuar melhorando a qualidade do café visando a satisfação do consumidor.

Café com notas bem marcantes de frutas vermelhas e vinho, lembrando também fumo de rolo.

A rastreabilidade do café

 

Lucas Natanael Moreira

Fazenda Estreito

Ilicínea - MG

Variedade: Arara

Altitude: 1160m

Quando Lucas entrou na faculdade, ele pensou que nunca mais iria trabalhar com café. Mas, depois de sua formatura, Lucas decidiu passar algum tempo na fazenda com seus pais, e sua paixão por produzir cafés especiais o fez abandonar a Engenharia Mecânica e se concentrar no cultivo de café. Durante os meses de colheita na fazenda Estreito, Lucas ajuda o seu pai Antonio e outros dois colaboradores. A colheita é feita manualmente, porque as plantações de café ficam em altas inclinações, e o transporte de todo o café é feito por um pequeno trator que Lucas possui na fazenda. Todo processo pós-colheita é feito via seca. Nos primeiros 3 dias após a colheita do café, Lucas deixa o café secar no pátio e os leva a um secador de café que é abastecido com lenha. Lucas produz café especial desde 2016 e está cada vez mais motivado a buscar excelência e reconhecimento por seu trabalho.

Café doce e frutado, com notas de limão.

A rastreabilidade do café

 

Pedro Luiz Damasceno

Sítio Três Irmãos

Ilicínea - MG

Variedade: Mundo Novo

Altitude: 1000m

Pedro Luiz Damasceno nasceu na fazenda Três Irmãos e desde muito jovem já acompanhava o pai nas fazendas de café, sempre aprendendo a cultivar. Depois de um tempo, Pedro se casou com dona Joana e, juntos, eles continuaram trabalhando na fazenda – onde trabalham até hoje. Ao longo dos anos, eles organizaram a propriedade, cultivaram mais plantas de café e melhoraram o pátio de secagem. A fazenda Três Irmãos possui uma grande área de preservação ambiental, com fauna e flora muito preservadas. Pedro está se tornando cada vez mais entusiasmado na produção de cafés especiais e busca a excelência a cada ano.

Café com notas bem marcantes de frutas cítricas e um pouco amadeirado.

A rastreabilidade do café